melhores viagens

Entrevista da semana: Agnes Sacilotto

Posted on Updated on

Hoje começamos uma nova sessão no blog: entrevista da semana!

E nada melhor do que começar com uma entrevista com a Agnes: 26 anos, nasceu para viajar, 25 países conquistados, ainda faltam 166… conheça um pouco mais sobre essa minha amiga, companheira de viagens e de aventuras (algumas que nunca iremos revelar rs).

Screenshot_2015-01-16-10-27-20-1

MA: Gui, de todas as viagens que você já fez, qual foi a mais inesquecível (ou que te marcou de alguma maneira melhor?)

GUI: Foi a Tailândia! Sem dúvidas o melhor lugar que já fui, ótimo em todos as sentidos!

MA: E das viagens da nossa época na Europa, qual foi a melhor na sua opinião?

GUI: Todas foram incríveis, mas eu destacaria a ida para o Marrocos, que foi muito empolgante. E também a viagem que fiz com meu irmão: Amsterdã, Berlim e Praga, que temos muitas histórias divertidas.

MA: Aquela pergunta bem da nossa época de criança… praia ou campo?

GUI: Praia, com certeza.

MA: O que você faria com uma passagem de volta ao mundo nas mãos para 90 dias (que lugares escolheria)?

GUI: Daria a volta ao mundo rs. Iniciaria pela América Central, então iria para Austrália e Nova Zelândia, de lá faria o Sudeste Asiático (local que perderia mais tempo, com ctz), de lá Himalaia, Índia, entraria para o Oriente Médio, Norte da África, uma voltinha na Europa e pronto.

MA: Quais são os 3 lugares que mais você quer conhecer antes de morrer?

GUI: Vietnã, Rússia e Madagascar.

Semana que vem é a vez dela!! Aguardem.

Marcella Romani

Advertisements

10 lugares que conhecemos e achamos que não rola ir com crianças

Posted on Updated on

Para completar o nosso post da semana passada em homenagem ao Dia das Crianças, listamos 10 lugares que conhecemos e que não recomendamos levar crianças:

1. Peru (principalmente se for fazer o roteiro para Machu Picchu)
Motivo: é muito intenso, tem muita caminhada e os locais não possuem muita estrutura para crianças

2. Nova York
Motivo: Há quem diga o contrário, mas é uma viagem cultural e de compras… às vezes os baixinhos poderão ficar um pouco entediados querendo brincar em uma cidade grande.

3. Paris

Motivo: Uma cidade muito romântica para levar crianças… deixe para eles irem quando forem maiorzinhos (com os namorados rs)

4. Veneza
Motivo: É uma cidade linda… porém com uma energia pesada (dizem que é devido as águas). Melhor poupar os baixinhos dessas sensações…

5. Florença
Motivo: Assim como Paris, é uma cidade mais romântica e bem parada!

6. Londres
Motivo: Em nossa opinião é o mesmo esquema de NYC… muita cultura, museu e pouca brincadeira e diversão!

7. Bangkok
Motivo: Os pontos turísticos são em sua maioria templos, e a noite é bem pesada!

8. Cingapura

Motivo: Uma cidade extremamente desenvolvida, que com certeza não tem a cara de crianças.

9. Oriente Médio
Motivo: O turismo no OM é bem direcionado ao turismo religioso e histórico, cremos que não é interessante para a criança.

10. Jamaica
Motivo: Este país é famoso pelos resorts de casais, os quais não são permitidas crianças.

Mas é claro que tudo depende da idade… e do ritmo de férias que a criançada está acostumada! A escolha é sempre dos pais…

11_MHG_malvado

The end!!!

Posted on Updated on

O que aprendemos com a Itália:

  • Que países românticos devem ser feitos com mais pessoas (seja um casal… ou uma amiga engraçada)
  • Que deveríamos ter feito esse país juntas
  • Ir sem planejamento de onde dormir… o que fazer… e que cidades visitar nem sempre é a melhor forma de viajar
  • Comer sozinha dá muita preguiça, mas na Itália não tem como não sentar em um restaurante e se deliciar com as massas

By Agnes:

Roteiro: Trento/ Madrano/MilãoDSC07860

Fui à Trento para conhecer uma parte da minha família, de lá eu iria à Madrano conhecer a famosa Zia Maria, poucos dias antes de eu embarcar não estávamos conseguindo falar com ninguém que lá morava, e meu pai na maior normalidade disse: vá à Madrano e pergunte pela Maria Cristofolini (superrrr sussa… kkkkkkk).

Por sorte, 2 dias antes falamos com o Matteo, meu primo que foi me buscar na estação de trem. Fizemos um pequeno tour por Trento, uma mini cidade, quase na Áustria, fomos aos clássicos duomo, fonte, praça, castelo (mal sabia eu que um outro primo Andrea tinha um restaurante, e lá almocei) e conhecia Zia Rita, Zia Rosa, Andrea, e mais vários familiares. Eu falava em inglês, as vezes português, tentava decifrar o italiano, mas nos entendíamos.

DSC07868Naquela tarde fomos à Madrano, na casa da Zia Maria, para um super café da tarde. Ainda naquela noite sai com meus primos para uma baladinha tipo “flash back”, me acabei de tomar Apperol Spritz.

Dormi na casa da Zia Rosa, e na manha seguinte seu marido super simpático querendo conversar comigo em italiano e eu não entendendo nada, e ele perguntava do meu “fratello”, e eu perguntava em inglês e ele não entendi e eu nada em italiano, as tantas conseguimos um dicionário italiano-inglês, que facilitou a vida… e fratello=irmão… queriam saber do Renê kkkkkkk

Nessa noite já fui para Milão!

DSC07932

Milão é sensacional para compras!!! Pena que eu estava sem $$$), mas consegui comprar várias coisinhas que estavam em promoção, afinal era fim de inverno. A Via Montelaponeone é um sonho, só aquelas marcas maravilhosas, uma do lado da outra…

DSC07875No centro o duomo é maravilhoso, Galleria Vittorio Emanuele, Via della Spiga, e o melhor sorvete que tomei na minha vida foi lá, de Capuccino, devia estar uns 3°C, mas eu comprei sorvete!!!!

Para meu segundo dia, dei uma super volta a pé: Castelo Sforzesco, Parque Sempione, Arco della Pace. Achei Milão meio fraca em relação a pontos turísticos, mas caso esteja por perto, vale uma passada.

Naquela madrugada eu ia embora… meu vôo era as 6 da manhã, porém Ryanair sempre sai do aeroporto mais longe do mundo e me informaram que o trajeto até o aeroporto era de 1 hora. Então calculei tudo, saia do hostel às 3h30min, pegava o bus das 4h que saia da estação de trem e às 5h estaria no aeroporto (imaginava pegar um taxi até a estação de trem que era longe). Acordei e não tinha ninguém na recepção do hostel que pudesse chamar um taxi… sai correndo desesperada para a estação de trem, e ainda começou a nevar para minha sorte (imagina eu correndo na neve com uma mochila super pesada). No caminho vi um taxi passado, sai gritando, o taxista estava levando um cara mtooooo bêbado embora de uma balada. Não deu outra, pedi uma carona, e eles deram!!! Kkkkk Enfim, cheguei a tempo de pegar o trem e o avião… de lá eu ia para Pamplona, arrumar minha mudança e em 2 dias voltaria ao Brasil!

By Marcella

Roteiro: Pisa/Luca/Ferrara/Bologna

A minha ida para a Itália foi Ryanair (para variar)… encontrei um bilhete por 8 euros (de Barcelona até Pisa)!!!

De Pamplona até Barcelona eram aproximadamente 5 horas de trem. Mas, a minha melhor amiga estava morando lá (a mesma que foi comigo para Portugal)… então aproveitei para fazer uma visitinha (desde 5ª feira) e passar o final de semana com ela antes de começar a minha aventura (que seria no domingo).

A aventura já começou no aeroporto de Girona (Espanha) quando fui pegar o vôo as 6 da manhã. Todo mundo tinha impresso o tkt do vôo sem o código de barras (porque nessas companhias low-cost era cobrado até para respirar!! Então imprimíamos tudo em casa… mas tinha um truque para sair no tamanho certo… e obvio que eu não sabia – depois desse dia eu aprendi). Depois de muita confusão, consegui reimprimir o tkt e embarquei (Mas não fui só eu que tive essa infelicidade… As pessoas começaram a chegar no aeroporto e formou um grupo de mais ou menos 20 e quase rolou uma manifestação na frente do balcão de atendimento… e claro, que tinha mais brasileiros no meio).

Minha primeira parada foi em Pisa… e o meu trem já saía no mesmo dia para Luca. Na minha cabeça era só a torre de Pisa que tinha para visitar… e era mesmo!! Ainda sobrou muito tempo para eu andar na cidade sem rumo e sem direção… e muito tempo para eu tirar todas as fotos possíveis e imaginarias com a torre (que pena que eu estava sozinha e não dava para ficar testando as poses… então nem deu muito certo).

Imagem1

Saí de lá no final da tarde e fui para Luca. E aí vem a pergunta… por que Luca? Porque é a cidade dos meus bisavós… e eu encasquetei na época de ir até lá para encontrar alguma informação da minha família (para conseguir tirar a cidadania italiana)… parecia um bom plano… #soquenao. A única coisa que encontrei foi algumas pessoas com o mesmo sobrenome que o meu (Romani)… e no endereço que o nosso processo de cidadania indicava… morava um “Romani” que sofria de Alzheimer… depois disso… desisti e fui para Florença (que já contei aqui como foi). Ou seja… Luca não teve nada de mais, tirando a pracinha… e a macarronada que comi lá!

DSC06891De Florença, fui para Bologna! Foi uma experiência engraçada… porque uma amiga minha tinha morado lá e falava que era demais. Mas eu não dei muita sorte porque peguei muita chuva (chuva e frio sempre estraga um pouco o turismo ne?), o meu hostel era na PQP (me desculpe) e eu demorava 40 minutos para ir até o centro. Como eu ia ficar apenas 1 dia lá… fiquei um pouco estressada com isso… e acabei conhecendo super rápido a cidade. Mas tirando isso a cidade é bonitinha… e parece que é cheia de festas… mas sozinha, ficava bem difícil (e não conheci ninguém no hostel).

Aqui cabe um PS: na Itália foi muito engraçado e diferente de todos os lugares que já visitei em toda a minha vida. Era incrível, não conhecia ninguém (tirando a Mexicana do ultimo dia em Veneza)… parecia que quando eu entrava nos hostels… as pessoas saiam. Bizarro!!!

De Bologna eu ia para Veneza direto… mas como tinha um dia todo… resolvi parar em Ferrara (cidade dos pais do meu avô) que é muito bonitinha… meio medieval… cheia de castelinhos. Gostei!!

Chegando em Veneza… passei mais 3 dias naquele labirinto (como já contei no post anterior) e para voltar… meu vôo saia de Pisa (desvantagens de voos baratos na Europa). Ou seja, tive que voltar tudoooooo… passando por Florença (e dormindo uma noite lá) e depois Pisa… foi quase uma via sacra essa viagem.

Depois disso você deve estar pensando que nunca mais viajei sozinha ne? Errou!!! Está aí uma das coisas que mais gosto de fazer quando estou estressada… confusa ou com algum problema. Pegar a minha mochila e ir para algum lugar do mundo!

DSC07070

Um pouquinho de Istambul…

Posted on

Istambul:

 

Dicas rápidas:

  • Fazer o Cruzeiro no Estreito de Bosforo
  • Santa Sofia
  • Fazer compras no Gran Bazar (imperdível!)
  • Comprar mtoooo doce árabe (é sensacional)
  • Verificar horários de rezas (para visitar as mesquitas)
  • Sempre ter um lenço na bolsa (mulheres têm que cobrir a cabeça para entrar nas mesquitas)

 foto 5

Parei em Istambul apenas 2 dias (já que minha conexão passava por lá,decidi parar…). Dois dias para Istambul não é NADA… a cidade é gigante e tem muuitoooo o que fazer… Preciso voltar com mais tempo.

Lá fiquei em um hotel… Tugra Hotel, não recomendo… Nada demais, longe do centro, longe do metrô, e um lugar que nenhum taxista sabia onde era… kkkkk

Na primeira tarde fiz um passeio de barco pelo Bosforo… legal, lindo e mto aula de geografia “estreito de Bosforo”, me lembro automaticamente das minhas professoras da quarta série. Passeio longo, estava frio, no final quando já estava anoitecendo congelei!!! De lá fui para famosa Taksin, praça principal e rua cheia de lojas e restaurantes…

No dia seguinte eu tinha a missão de conhecer Istambul inteira… para não perder tempo peguei um taxi para Santa Sofia, lindo, lindo, lindo… bem em frente fica a Mesquita Azul, fuifoto 3 entrar estava em horário de reza. Peguei um bus Hop On Hop Off, para andar a cidade toda… fui a spice market, palácio de verão, o Palácio Topkapi estava fechado pois era segunda-feira e enfim parei no Gran Bazar… que sonho… comprei prata, fumo denarguile, pulseiras, cachimbo pro meu Avô, mtossss olhos turcos para minha mãe, e o melhor doce que já comi na vida (trouxe 4 caixas… deveria ter trazido um container!!!)… Aquilo é o paraíso…

De lá, voltei à Mesquita Azul, mas novamente estava fechada, pois era horário de reza (atentar-se para isso). Já estava anoitecendo, fui novamente para Taksin, agora meu objetivo era jantar no Hard Rock (OBS: foto 4sou apaixonada pela comida do Hard Rock, qualquer cidade que eu vou, pesquiso se existe e quando sim, paro lá!).

Para retornar ao meu hotel que era longe, peguei um taxi, o motorista não falava uma palavra em inglês (poucas pessoas lá falam inglês!!!), mostrei meu endereço; eu queria ir pelo taxímetro, mas ele insistiu em ser preço fechado, ok?!!!… Começamos a rodar, rodar.. esse homem não achava a rua do meu hotel, começou a surtar, socar o volante e f
alar comigo em turco, e eu gritava “english” e ele “no english” (conversa de loucos kkk), mostrei a localização do meu hotel no meu mapa de papel e nem assim o cara achava (ele não tinha GPS e eu estava sem internet no cel…) as tantas paramos num outro hotel para perguntar, e então ele conseguiu achar meu hotel… quando parou queria cobrar a mais pela corrida e obviamente não paguei – eu queria ir de taxímetro, mas ELE quis fazer preço fechado…… kkkkkk

Na manha seguinte eu já voltava para o Brasil!

 

Minha viagem por Israel, Jordânia e Turquia foi fascinante, valeu cada minuto pelas belezas, paisagens, lugares históricos e religiosos e pela aventura fascinante. Minha conclusão é de que não há problemas em uma mulher viajar sozinha peloOriente Médio, ou países mulçumanos… é só tomar os cuidados que estamos acostumadas em qualquer lugar do mundo e obviamente, vestir-se de acordo (como era inverno, não tive esta preocupação!).

Agnes Sacilotto
foto 1

E agora somos duas!

Posted on Updated on

Agnes Sacilotto, 26 anos, nasceu para viajar, 25 países conquistados, ainda faltam 166…

Marcella Romani, 26 anos, publicitária de profissão e viajante nas horas vagas, 14 países conquistados (perdi a conta de quantas cidades), mais de 10 mil fotos colecionadas e sempre pensando no próximo destino.

… e agora, conheça um pouquinho sobre as duas versões da história:

Marcella: EsDSC04308tudávamos na mesma faculdade… Mas nunca tínhamos nos visto! Foi em uma prova de espanhol, dentro da salinha de RI que nos esbarramos pela primeira vez. E quando descobri que ela também estava prestando o intercâmbio para a Espanha, de primeira, não gostei (achei que estávamos concorrendo à mesma vaga hahah). Mas depois trocamos alguns e-mails, perguntas, angústias e risadas… Passamos pelo tormento do visto para a Europa (horas de fila no Consulado) e, finalmente, nos encontramos em Pamplona (Norte da Espanha)… Prontas para uma aventura de 6 meses!

Primeira decisão: não morar juntas (para conviver com pessoas de outros países e outras culturas)
Segunda decisão: não falar em português durante os 6 meses (afinal, estávamos indo morar fora para melhorar o outro idioma ne?!)
Terceira decisão: viajar muito e aproveitar toda a facilidade que a Europa podia nos oferecer.

Resultado: construímos uma amizade incrível e, juntas, descobrimos a nossa vocação para a vida!

Após 6 meses, cada uma seguiu seu caminho: Eu sou publicitária… ela economista; Eu vivo em SP… ela em Americana; Eu sou solteira… ela namora. E mesmo assim, mantemos contato (quase diário e virtual). Mas, a única coisa que tenho certeza que não mudou foi a vontade de viajar e conhecer novos lugares, novas culturas, em busca de novas aventuras e diversão!

DSC05877Agnes: Um belo dia acordei e decidi que queria fazer intercambio. Como minha faculdade tinha programas para tal fui lá pesquisar… Me apresentaram as faculdades que possibilitavam intercâmbio para o meu curso, e sem ao menos pesquisar a faculdade decidi que eu iria para Espanha, para Málaga (cidade universitária, com praia, festas…), eu queria mesmo algo novo.
Foi então que a minha faculdade me convocou para uma prova de espanhol, lá fui eu com a cara e coragem… Chegando lá, tinha outra menina pra fazer a mesma prova… Fiquei meio preocupada… Não sabia se concorríamos para a mesma vaga, falei apenas um “oi”, sentei, escrevi tudo o que podia e fui embora falando um mero “tchau” para a coitada da Marcella… kkkkkk
Uns 50 dias antes de embarcar, fui informada que a Universidade de Málaga não iria aceitar intercambistas, e ofereceram a Universidade Pública de Navarra. Não sabia nada sobre a cidade. Fiquei “meio assim”, mas aceitei… Um pouco antes de ir, descobri que a Marcella também iria para minha universidade e começamos a trocar e-mails…
Nosso semestre começava em setembro, as pessoas normais chegaram antes na cidade, arrumaram casas tudo… Eu optei por passar 1 mês viajando sozinha pela Europa, arrumei minha casa por e-mail e ok. Cheguei a Pamplona 1 dia antes de começarem as aulas e no dia seguinte tínhamos um encontro de todos os intercambistas da faculdade. Nesse dia me juntei à Marcella, e não nos separamos mais nos próximos 6 meses… e até hoje (de uma forma um pouco diferente, né?!)
Assim descobrimos nossa vontade/ vocação/ compulsão/ doença por esta coisinha chamada VIAJAR.

E agora, juntas, iremos compartilhar isso com todo mundo! Viajem conosco!!!!

DSC06971

Um paraíso chamado Fernando de Noronha

Posted on Updated on

Atendendo pedidos de algumas amigas, vou compartilhar um roteiro da minha melhor viagem de 2013: Fernando de Noronha.

Dicas básicas:

1. Compre as passagens com antecedência, assim conseguirá os melhores dias e preços mais em conta. Lembrando que são 2 vôos (o primeiro tem que ser para Recife ou Natal e o segundo vai até Noronha)
2. Para entrar na Ilha, é preciso pagar algumas taxas. Para agilizar, faça isso antes pela internet. Se não puder fazer antes, no aeroporto você será direcionado para fazer o pagamento na hora.
3. Se quiser agito, com certeza a melhor semana para ir é a do Ano Novo. Mas se quiser apenas curtir a beleza natural do lugar, o melhor mês é Setembro e Outubro (onde a ilha toda está calma, sem ondas e com muita vida marinha)
4. Diferente de outras praias, Fernando de Noronha não tem feirinha de artesanato. Tem algumas lojinhas de souvenir (mas não se empolgue, porque é tudo muito bem explorado nos custos)

Praias por onde passei:

Cacimba do Padre (a praia dos surfistas)
Praia do Bode (o nome diz tudo)
Sancho (linda… mas dá uma preguiça de chegar)
Conceição (a praia badalada)
Sueste (onde é feita a captura das tartarugas)

DSC08732

Restaurantes para comer – TOP 3 (lá o que não falta é opção gastronômica para todos os gostos):

Xica da Silva (o melhor para mim)
Mergulhão (vista incrível)
Restaurante da pousada Maravilha

Hotéis/pousadas domiciliares:

Se você está com disposição para pagar por um serviço de luxo e curtir as belas paisagens durante o café da manhã e uma boa piscina no final do dia, indico a Pousada Maravilha e a Pousada Zé Maria. Os dois melhores hotéis da região.

Mas, se seu espírito é mais aventureiro e acha que hotel é só para dormir e tomar banho, indico a pousada que eu fiquei: Leão Marinho. Além de muito limpinha, o custo beneficio é excelente.

Contato: Alameda do Sol Nascente, 538 – Térreo – Floresta Nova
Fone: 55 (081)3619.1937

E se for curioso como eu, vá conhecer os melhores hotéis na hora de comer. Os restaurantes deles são abertos ao público, são muito bons… e a vista maravilhosa!

Fotos que não podem deixar de ser tiradas:

Pôr do sol (para mim, de qualquer ponto da Ilha é uma vista incrível)

20140101_174639

Embaixo água (o difícil é acertar a posição para os bichos saírem também)

DSC08882

Morro dos dois Irmãos

IMG_1107

Vista da Air France

IMG_0156

Vista do Restaurante Mergulhão

IMG_0452

Festas:

Nesse final de ano, a agência Scheeeinns organizou a semana de festas de Fernando de Noronha. Ano que vem, com certeza terá de novo. Compre os convites com antecedência para não perder a programação.

Eu e minha amiga fomos apenas na Boat Party que, confesso que não foi a melhor festa, mas foi uma experiência bem diferente. Sete barcos parados na frente do Morro dos Dois Irmãos, todo mundo dentro da água, passando de barco em barco, com música e bebida até 8 pm (e o por do sol não preciso nem falar ne?).

Fora essas festas, a Ilha tem 3 lugares muito conhecidos para sair a noite: o Bar do Cachorro (para quem curte forró é o melhor lugar), a Pizzaria (que só toca reggae) e o bar O Pico (que é mais o estilo dos paulistas de música eletrônica). Mas, lembre-se de conferir a programação da noite… porque quando um lugar abre o outro fecha! (não tem as 3 opções sempre)

Na noite da virada, não podíamos deixar de conhecer a tradicional festa do Zé Maria. Mas, lembre-se de levar a champanhe para a virada… porque o open bar não inclui a bebida.

Programação dia a dia:

1º dia: recomendo o Ilha Tour. Um passeio que dura o dia todo e que passar por 70% da Ilha com guia. Esse passeio pode ser feito de bugre particular ou de 4X4 com 10 pessoas. Escolhemos a opção de grupo porque era uma oportunidade de conhecer novas pessoas (e não é que ficamos amigas dessas pessoas até o final da viagem).

2º dia: ficamos o dia todo tomando sol. O objetivo era voltar queimada do Nordeste.

Também aproveitamos para dar uma volta no barco do Dipetto e em menos de 5 minutos encontramos muitos golfinhos!!!

No pôr do sol fomos a Sunset Party que acontece na praia do Meio (antes da Conceição). É um espaço feito pela pousada Zé Maria, com bebida e música que rola até 11pm (para mim, esse dia já foi o suficiente para ficar muito cansada.

3º dia: fomos fazer a famosa trilha longa do Atalaia e, para mim, o melhor passeio.

Não tínhamos reservado antes de chegar e tivemos um pouco de dificuldade de encontrar vaga para o passeio (que só pode ser feito com guia autorizada), mas conhecemos o Mauro que ainda tinha vaga no grupo e nos colocou para o dia seguinte.

Desse passeio maravilhoso tenho apenas algumas dicas importantes para seguir:

– Durma bem na noite anterior (o passeio começa as 7am)
– Passe muito protetor e leve pelo menos 1 litro de água
– Vá de tênis e só leve na mochila o que realmente for necessário

E prepare-se para andar!!! Metade da trilha é feita sob pedras vulcânicas… mas a cada piscina natural que chegava, esquecia o sofrimento da caminhada. Vale muito a pena.

DSC09022

DSC09022

4º dia: De manhã fomos a Praia do Bode (que faz jus ao nome). Para quem curte uma praia deserta e com onda é uma boa opção. E a tarde fomos na Praia da Conceição (essa sim tem mais a minha cara). Essa é a praia mais badalada da Ilha e uma das únicas que tem quiosque/restaurante para ficar.

5º dia: voltamos a praia do Porto para andar de barco com o Dipetto. Fizemos o famoso passeio da pranchinha subaquática. Sensação muito boa embaixo dágua. Mas dica para as mulheres: use um biquíni que não caia no meio do passeio.

6º dia: fomos no passeio da NAVI.O mais legal desse passeio é a palestra: eles contam toda a história da Ilha e toda a vida marinha que existe nela. O passeio em si é meio chato e a embarcação dá um pouco de enjoo (eu e a minha amiga tomamos dramin uma hora antes… não enjoamos, mas quase dormimos no meio do passeio).

7º dia: fomos a praia do Sueste, desde de manhã para tomar sol. E as 4pm acompanhamos a captura das tartarugas. O projeto Tamar tem dias e horas específicos para fazer a captura e controle das bichinhas. É só se informar na pousada ou em algum ponto de informação de turismo que eles disponibilizam a tabela.

IMG_1381

A tarde descemos para a praia do meio para a Galinhada (como não queríamos comer, foi praticamente igual a Sunset Party)

E assim, no 8º dia, terminou a nossa viagem. Com fotos na máquina e momentos inesquecíveis na mente.

IMG_20140103_151851

Uma das minhas coleções preferidas: o pôr do sol

Posted on

Não sou uma pessoa muito calma… e não faço muita questão de parar em frente a uma paisagem para refletir sobre a vida. Mas tem uma coisa que me deixa paralisada: o Pôr do Sol.

Não sei o por que, mas percebi que em toda viagem eu fazia a mesma pergunta no hotel: qual é o melhor lugar para ver o pôr do Sol?

E lá eu ia todos os dias com hora marcada e assim comecei a colecionar várias fotos dessa beleza natural!

Segue alguns dos meus preferidos:

1. No avião é sempre muito bom viajar no final do dia e na janelinha… sempre consigo tirar umas boas fotos.

Aviao

2. Fernando de Noronha: na praia do porto (eu sei que esse não é o lugar que recomendam para ver o pôr do sol… mas para mim, foi o mais bonito que vi na semana que fiquei lá)

Fernando de Noronha

3. Jericoacoara: pôr do sol clássico nas Dunas (vale a pena)

Jericoacoara

4. Morro de São Paulo: Toca do Morcego (acreditem… mesmo com nuvem é uma vista e uma imagem inesquecível)

Morro de Sao Paulo

 

 

 

 

5. Porto Alegre: Às margens do Guaíba

Porto Alegre

6. Parque Villa Lobos (sim, em São Paulo também é possível!!!)

Vila Lobos

7. Ojai – Califórnia (entre uma reunião e outra… consegui parar 5 minutos no final do dia e apreciar a vista)

Ojai

E assim continuo: viajando e fotografando os melhores momentos do final do dia!